1.11.05

da variedade dos silêncios

o pacote das bolachas chegou ao fim. vagueio entre o compt, o sofá e o comando da televisão. fui à rua tomar dois cafés, apanhei sempre com a chuva nestas saídas, por azar, o que me deu ainda mais vontade de não sair, de chegar rapidamente a casa com aquela sensação de último reduto. quando penso em sair nestes dias passa sempre implacavelmente das cinco, aquela hora em que fecham os museus onde está sempre aquela exposição que acaba por nunca se ir ver. apesar da neura, gosto da sensação de estar sozinha comigo mesma. de t-shirt e casaco de lã velho e confortabilíssimo. o som da televisão, baixíssimo, faz apenas um murmúrio. penso, dentro deste quase silêncio, num possivel interlocutor e dou por mim a pensar em todos aqueles homens que já o foram - a quem tantas vezes escutei um solilóquio. por vezes, durante essas tiradas, chegava à conclusão muda de que não tinha mesmo nada para dizer, e ouvia, ouvia, ouvia. o meu mundo era tão íntimo e indizível, tão ali se ele o conseguisse ler, tão entrecruzado e silencioso por entre as silabas, as palavras proferidas a uma só voz.

referer referrer referers referrers http_referer Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com